AMPARO LEGAL

Amparo legal para este blog: Constituição Federal
Art. 1º. A República Federativa do Brasil, foramada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
...
Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
...
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política...;
...
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independente de censura ou licença;
Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo nao sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§ 2º. - é vetada toda e qualquer censura de natureza política ideológica e artística.
Sem espaço no mídia para divulgar os trabalhos realizados pelas Guardas Municipais do Brasil, este blog é mais uma ferramenta aliada para ampliar as ações cotidianas desta força policial que atua na segurança pública municipal.
GUARDA MUNICIPAL, órgão do poder público, legalmente investido no cargo, capacitados e treinados para cumprir as missões que lhes competem, com atribuição policial, fiscaliza, vigia, guarda, com sua presença (fardada) de caráter preventivo promove ações de segurança pública municipal, investido do poder de polícia da administração pública.

GUARDA MUNICIPAL, JUNTOS SOMOS MAIS QUE VENCEDORES!
GUARDA CIDADÃ - DESDE 1985 -PROTEGE, ORIENTA E AUXILIA -
ATENDE PELO TELEFONE (15) 3262.3244, 3262.1118 e 199 (Defesa Civil) 24 HORAS
Endereço para correspondência: Praça Duque de Caxias, 32 Centro - Cep: 18540000
e-mail: guarda.subinspetor@portofeliz.sp.gov.br
MEU CONTATO É: yvetegon@hotmail.com

Telefones de emergência
100- Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente (Nacional)
180- Delegacia Eepecializada do Atendimento à mulher
181- Disque denuncia
190 - Polícia Militar
193 - Bombeiros
194 - Polícia Federal
197 - Polícia Civil
199 - Guarda Civil Municipal e Defesa Civil (Porto Feliz)

A farda não é uma veste que se despe com facilidade ou até com indiferença, mas uma outra pele que adere a própria alma, irreversivelmente para sempre. (desconheço o autor)

Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher (Salmos 25/12)

Este blog está no ar desde 27/06/2011
Parou em 20/12/2015 por motivos politicos


Não serão públicados comentários no anonimato em cumprimento ao Art. 5 - IV É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato. C.F.





quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Disciplina, Hierarquia e Humanização - Um novo conceito de gestão em uma instituição uniformizada e armada.

Bacharel em Ciências Jurídicas
Pós Graduado em Segurança Pública


Envergar um uniforme não é para qualquer um.

Ao vesti-lo, junto dele, você carrega o nome da instituição. Os símbolos mais respeitados que ela cultua. O seu orgulho e as suas virtudes.

A confiança que a instituição deposita em seu agente ao revesti-lo de seus emblemas mais sagrados exige uma responsabilidade bilateral – de quem lhe confia o uso, e de quem o veste.

A disciplina institucional tem como principal foco o zelo pelo seu nome - e compreenda-se aqui como “nome” a reputação, a história, o prestígio social, a confiança que lhe depositam e as portas que ela abre.

A disciplina faz parte do processo de eficiência, é a garantia de um trabalho satisfatório e de qualidade, além de ser a maior das proteções à imagem institucional.

As Guardas Municipais não são instituições militares, mas, por usarem uniforme, seguem em sua maioria um regulamento disciplinar semelhante ao das forças armadas, com vistas a manterem a disciplina sempre respeitada. E não é por adotarem esses regulamentos que se tornam instituições militarizadas – longe disso. São instituições civis e ponto final.

É muito comum encontrar entre seus integrantes pessoas inconformadas em terem que participar de instruções de ordem unida, ou de desfiles cívicos, com o pretexto de que não são militares para se sujeitarem àquela forma de trabalho. Não creio que ao pensar assim estejam com a razão.

A ordem unida, obrigatória no serviço militar, não é exclusiva dele. A ordem unida não é um fim em si mesmo. Não é seu fim o simples treinamento ou o exibicionismo. É mais que isso. Sua finalidade é a garantia do bom trabalho. Ela tem a função de promover ações coordenadas a partir de uma voz de comando. Impede a desordem durante a missão que está sendo executada pelo grupo. Estimulam o espírito de corpo e a unidade entre os profissionais.

Nos pátios das escolas de formação, a ordem unida mal empregada acaba por cansar o aluno que, até então, não encontra sentido naquele treinamento que mais aparenta uma demonstração de obediência ao executor da voz de comando.

Mas o treino repetitivo ainda assim é necessário para que se torne um hábito. E a força do hábito nos condiciona. Ela não nos impede de pensar, não nos aliena, não molda o nosso cérebro, apenas nossas atividades operacionais, nossas posturas, atitudes e gestos.

Na prática, nas grandes operações com maior número de efetivo é onde se enxerga o seu verdadeiro valor. Ela evita que sejamos um bando, e propicia que nos tornemos um grupo coeso e forte. Facilita a comunicação e o posicionamento de grupamentos. Define a hora certa de agir e norteia as atividades a serem seguidas pelo líder e liderados.

E por falar em líder, vamos discorrer um pouco sobre a hierarquia – sem nos esquecer que o conceito de disciplina é bem mais amplo do que dissemos acima, e que caberia escrever um manual inteiro só sobre esse assunto, o que não é a nossa intenção no momento.

Tão confundida e tão usurpada, a hierarquia já teve seus conceitos deturpados por causa de abusos cometidos em seu nome.

De uma definição que partia da necessidade de se estabelecer a ordem de precedência para se traçar e desenvolver os direcionamentos dos trabalhos e as tomadas de decisões, a hierarquia já serviu, inadequadamente, como instrumento de perseguição e autoritarismo.

Infelizmente essas ações desvirtuadas não são exclusivas daqueles que detêm cargos de maior destaque, isto porque, a hierarquia se estabelece também entre as posições mais próximas e, quando se permite, até entre pares. Assim, desde o curso de formação, onde os prontos acabam por abusar da precedência sobre os alunos, passando entre pares com funções diferentes e o grau de proximidade com as chefias, até a real diferença de grau de evolução na carreira, a hierarquia pode ser utilizada para o bem ou para o mal.

E como evitar abusos? Como fazer valer apenas o bom uso da hierarquia?

A hierarquia é salutar na humanidade. Ela começa na família, passa pela escola e chega ao trabalho. Respeitar a hierarquia significa respeitar os poderes constituídos, respeitar a ordem e cultivar firmes os pilares institucionais.

A hierarquia concede certo poder ao seu detentor. O poder seduz, confunde e tende a levar o homem ao abuso.

É preciso treinar o equilíbrio e aprender vencer a sedução. Quanto mais poder se tem, mais equilíbrio é preciso, e mais disposição de vontade para vencer as paixões ignóbeis.

Uma das formas de promover esse equilíbrio é praticar uma cultura humanizada no ambiente de trabalho.

O processo de humanização implica a evolução do homem, pois ele tenta aperfeiçoar as suas aptidões através da interação com o seu meio envolvente. Para cumprir essa tarefa, os indivíduos utilizam recursos e instrumentos como forma de auxílio. A comunicação é uma das ferramentas mais importantes de grande importância na humanização.

A humanização cria condições melhores e mais humanas para os trabalhadores de uma empresa, utilizadores de um serviço ou de um sistema.

Sua aplicação é bastante discutida no âmbito da saúde; nos hospitais e unidades de internação. Ela permitiu um olhar mais cauteloso sobre a forma de tratamento que vinha sendo utilizada pelos profissionais da saúde em relação aos pacientes, permitindo um acompanhamento mais digno a cada um deles.

Esse conceito é perfeitamente aplicável nas relações de trabalho, sem que se abra mão da hierarquia e da disciplina.

Ai é que reside o problema. Vemos muitos saudosistas hoje em dia dizendo que bons tempos eram aqueles onde se “fazia e acontecia”; onde o regime era duro e não se cogitava a menor possibilidade de discutir problemas individuais; que hoje existem muitos direitos e poucos deveres. Tempos em que “o guarda nem tinha acesso ao chefe, ou se tivesse, falava com ele na posição de sentido – ‘sim senhor’ e ‘não senhor’”.

Entristece-me saber que ainda temos alguns poucos colegas que só sabem conduzir sua tropa com o Regulamento Disciplinar debaixo do braço. Que seu único poder de convencimento é a “caneta”.

Quando assumi minhas funções de Inspetor me impus um desafio: Convencer pela lógica; explicar a real finalidade do trabalho e da necessidade da colaboração do profissional; conhecer os problemas e as dificuldades de cada um; ouvir quem quer ser ouvido; procurar entender a realidade de cada um; não ter preguiça de encontrar a melhor forma de acomodar todos os interesses da equipe, sem comprometer a qualidade do trabalho; usar o regulamento disciplinar, dentro do que é discricionário da chefia, somente para casos dolosos, em condutas de má fé, quando o profissional optou pelo erro mesmo tendo à sua volta a devida orientação e a possibilidade do acerto. Optei por me colocar entre meus subordinados e meus superiores como um mediador, trabalhando para que as determinações superiores fossem seguidas, mas intercedendo por melhores condições ao grupo de colaboradores.

Aparentemente o resultado foi maior que o método tradicional. Já trabalhei em lugares sob o crivo de métodos arcaicos, como subordinado do titular, onde eu pouco podia opinar, e o grau de satisfação da tropa era baixo e, como conseqüência, o serviço não ia bem. Tive a oportunidade de chefiar esse mesmo lugar, logo em seguida, e mudar a “cara’ dele, tornando-o mais saudável, mais humano e produtivo.

Pode até ser que na tentativa de acertar acabei cometendo erros, e com eles ter desagradado pessoas. Mas, quem é 100% perfeito e infalível?  Ninguém. O mais importante é reconhecer isso, e se inclinar a mudanças. Mudar o pensamento, ter mais humildade e aprender com bons exemplos. Isso é evoluir como profissional e como homem.

Disciplina, Hierarquia e Humanização não são termos antagônicos. Fazem parte de um mesmo processo de construção de uma instituição melhor. Ter essas diretrizes, saber conjugar esses três termos em uma só ação pode ser o melhor caminho para se criar uma administração saudável, eficiente e eficaz.

Vivemos tempos de aprimoramento e mudanças. Aproveitem essa oportunidade. Fica aqui me conselho: Leiam muito, debatam com os colegas. Estimulem a tolerância, o respeito às opiniões contrarias. Aprendam a conviver com as diferenças. Se livrem dos vícios. Cultivem a virtude.


Vejo todos os dias em redes sociais declarações de amor à profissão Guarda Municipal. Então, que façam valer esse amor, cuidando melhor dos profissionais com quem passamos a grande parte da nossa vida.

fonte: http://osmunicipais.blogspot.com.br/2014/02/disciplina-hierarquia-e-humanizacao-um.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário