AMPARO LEGAL

Amparo legal para este blog: Constituição Federal
Art. 1º. A República Federativa do Brasil, foramada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
...
Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
...
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
...
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política...;
...
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independente de censura ou licença;
Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo nao sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§ 2º. - é vetada toda e qualquer censura de natureza política ideológica e artística.
Sem espaço no mídia para divulgar os trabalhos realizados pelas Guardas Municipais do Brasil, este blog é mais uma ferramenta aliada para ampliar as ações cotidianas desta força policial que atua na segurança pública municipal.
GUARDA MUNICIPAL, órgão do poder público, legalmente investido no cargo, capacitados e treinados para cumprir as missões que lhes competem, com atribuição policial, fiscaliza, vigia, guarda, com sua presença (fardada) de caráter preventivo promove ações de segurança pública municipal, investido do poder de polícia da administração pública.

GUARDA MUNICIPAL, JUNTOS SOMOS MAIS QUE VENCEDORES!
GUARDA CIDADÃ - DESDE 1985 -PROTEGE, ORIENTA E AUXILIA -
ATENDE PELO TELEFONE (15) 3262.3244, 3262.1118 e 199 (Defesa Civil) 24 HORAS
Endereço para correspondência: Praça Duque de Caxias, 32 Centro - Cep: 18540000
e-mail: guarda.subinspetor@portofeliz.sp.gov.br
MEU CONTATO É: yvetegon@hotmail.com

Telefones de emergência
100- Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente (Nacional)
180- Delegacia Eepecializada do Atendimento à mulher
181- Disque denuncia
190 - Polícia Militar
193 - Bombeiros
194 - Polícia Federal
197 - Polícia Civil
199 - Guarda Civil Municipal e Defesa Civil (Porto Feliz)

A farda não é uma veste que se despe com facilidade ou até com indiferença, mas uma outra pele que adere a própria alma, irreversivelmente para sempre. (desconheço o autor)

Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher (Salmos 25/12)

Este blog está no ar desde 27/06/2011
Parou em 20/12/2015 por motivos politicos


Não serão públicados comentários no anonimato em cumprimento ao Art. 5 - IV É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato. C.F.





quinta-feira, 9 de maio de 2013

SOROCABA/SP - Meninas comandam o tráfico no Mineirão


Menores – de 13, 15 e 17 anos – chefiam esquema de venda de drogas em bairro na zona norte da cidade

“É um dinheiro amaldiçoado. Vem fácil e some sem sabermos com o que gastamos”, diz a adolescente de 16 anos que foi apreendida junto com outras três menores –  13, 15 e 17 anos – na noite desta quarta-feira, no  Mineirão, zona norte de Sorocaba.
Segundo informações da GCM (Guarda Civil Municipal), as quatro  são responsáveis pela movimentação de um dos pontos de tráfico  mais rentáveis daquele bairro – funciona na Praça Cristina Gomes Guerrazzi. Outras mulheres já foram detidas no  mesmo local.
As menores se apresentam bem vestidas e maquiadas aos  usuários  que as procuram. “Só vendo crack, pois se pegar cocaína, acabo cheirando tudo”, revela a jovem de 13 anos.
Todas  assumiram ser usuárias de maconha e de cocaína. Com o trabalho no crime, além de sustentar o vício,  também compram roupas e alimentos.
O grupo divide uma casa precária que fica numa das laterais da praça. No momento da abordagem da GCM, três delas foram flagradas vendendo drogas na rua, mas a menor de 16 estava no interior da residência  para receber a pizza que tinha acabado de pedir.
Por mês, as quatro pagam R$ 100 de aluguel para o dono da casa que é o verdadeiro responsável pelo ponto de tráfico de drogas. “Nós vendemos e ganhamos uns R$ 100 de lucro por dia. Eu, por exemplo, fico vendendo até me dar sono”, complementa a adolescente de 16 anos que abandonou os estudos para se dedicar ao “trabalho”.
Quando usa cocaína, fica extremamente violenta, segundo a mãe,  uma dona de casa de 35 anos  que já foi atacada pela filha várias vezes (leia mais na página 3). “Tô cheirando mais de dez pinos [flaconetes] por dia, mas compro com o meu dinheiro”, conta uma das menores aos guardas.
No Plantão Policial Norte, enquanto aguardavam o registro da ocorrência, as garotas se divertiam contando as experiências no tráfico mesmo diante de suas mães que estavam perplexas. “E ela ainda tira sarro”, reclama  a dona de casa.
Mães se revoltam com a situação das filhas“Confesso que não me surpreendi com a notícia de que ela tinha sido pega com drogas, pois já estava desconfiada”, conta uma dona de casa de 35 anos, que é mãe da jovem de 16.
Segundo ela, a filha se tornou usuária de entorpecentes por causa de um primo que também “ensinou o vício” para outro de seus filhos, de 17 anos.
“Eu não vou desistir dela. Por isso lutei tanto para conseguir a internação involuntária para minha filha, pois ela precisa se tratar”, afirma.
Na semana passada, a dona de casa teve de registrar um boletim de ocorrência contra a própria filha. “Ela chegou em casa sob o efeito de cocaína e, quando fui repreendê-la, levei um golpe de chave de fenda no braço”.
A mãe chamou a polícia. “Minha filha disse para o policial que eu não passaria daquela noite e, como tenho dois filhos pequenos, tive de colocá-la para fora até que a internação aconteça”, destaca.
Na delegacia, mãe e filha mal se olharam. “Quando ela estava lá com as amigas vendendo drogas, não parou para pensar em mim, que tive de largar tudo para estar aqui. Não é fácil.”
Já o reencontro de uma auxiliar de limpeza, de 39 anos, com a filha, de 15, foi bem diferente. A jovem se mostrou desesperada quando notou que estavam solicitando a presença de sua mãe da delegacia. “Não quero que ninguém fale sobre ela.”
A auxiliar de limpeza repreendeu a filha já na viatura. “Eu não sabia que minha filha estava fazendo isso, pois ela não tem nenhum mau exemplo dentro de casa”, desabafa.
A mulher também disse não ter conhecimento de que a filha estava usando drogas. “Eu trabalho duro para dar o melhor para minhas filhas, que são três [duas casadas], por isso não aceito este tipo de comportamento.”
Há poucas semanas, a jovem de 15 anos deixou a casa da mãe para passar a maior parte do tempo no ponto de tráfico com as amigas. “Não sabia onde minha filha estava, pois ela ligava só para dizer que estava bem, mas já desligava”, conta.
Pouco antes do registro da ocorrência, a mãe levou mais um susto: nesta semana, a menor irá fazer um teste de gravidez. “Mais um problema”, conclui.
A serviço do crimeUma viatura do Patrulhamento Comunitário da Guarda Civil Municipal entrou na rua Firmino Minelli, Mineirão. Quando se aproximou da Praça Cristina Gomes Guerrazzi, os GCMs viram as adolescentes atendendo usuários de drogas. Três delas estavam na praça e foram abordadas.  Uma guarda civil municipal feminina foi chamada para revistar as jovens. Com a de 13 anos, foram apreendidos dez flaconetes de cocaína. Com a de 15 anos, havia R$ 60. Já com a menor de 17 anos,  que completará 18 em um mês,  foram encontrados 25 flaconetes de crack. As três informaram que viviam num tipo de barraco que ficava quase em frente ao ponto de tráfico. Dentro da casa eles encontraram a jovem de 16 anos, que estava com R$ 297.   “O lugar era imundo. Elas faziam tudo naquele espaço”, conta o GCM Ricardo Luiz, que abordou as menores com os GCMs Matheus e Alexsander, apoiados por guardas civis municipais da Romu. Todas elas confessaram que movimentam o tráfico naquele local, durante 24 horas. As três foram levadas à delegacia onde as drogas e o dinheiro foram apreendidos. Já as jovens, foram autuadas e liberadas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário